Conclusão

O website intitulado "Trabalho e Crises - Do Portugal Contemporâneo aos Nossos Dias" tem como principal objetivo, dar a conhecer as crises económicas e os consequentes efeitos laborais em Portugal, desde os finais do século XIX, até aos nossos dias.

Aumento do custo de vida, falências, desemprego e descontentamento social foram algumas das consequências das crises vivenciadas, no meu país, no período supracitado.

Para poder realizar este trabalho consultei obras em bibliotecas e variados documentos. Efetuei, ainda, entrevistas que me permitiram perceber os efeitos económicos, financeiros e laborais, das crises que foram objeto de estudo deste trabalho.

Uma vez que o trabalho que apresento a concurso é um website considerei pertinente elaborar, com base nas pesquisas que realizei, textos sobre a noção do trabalho, a crise de 1890-1892, os efeitos do crash da Bolsa de Nova Iorque e das duas guerras mundiais em Portugal. Elaborei, também, textos sobre o Estado Novo (êxodo rural, litoralização e emigração), o Pós 25 de Abril (crise económica, nacionalizações e despedimentos), as crises em Portugal desde 1980 (o meu país enfrentou cinco recessões económicas completas), a Pandemia Covid-19 e o futuro do trabalho. No meu website existem, ainda, recursos pedagógicos e didáticos, como artigos e vídeos, que permitem ampliar os conhecimentos referentes aos textos/temas supracitados.

A investigação que levei a cabo, sob a orientação da minha professora de História, Ana Sofia Pinto, possibilitou-me, ainda, adquirir, conhecimentos sobre a pandemia no local onde vivo, a Amadora.

Realizei trinta e três entrevistas que enriqueceram a minha investigação e os meus conhecimentos sobre os temas que integram o meu website. Na entrevista realizada à historiadora Alice Samara são explicadas as consequências da crise económica e financeira em finais do século XIX. As condições de trabalho, no período supracitado, são, também, alvo de análise. Nesta entrevista foram, ainda, analisados os efeitos do crash da Bolsa de Nova Iorque em Portugal e as consequências políticas, económicas e sociais da participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial. O mundo laboral neste período é também alvo de reflexão por parte desta historiadora. Os efeitos económicos e laborais do crash da Bolsa de Nova Iorque foram, também, alvo de análise na entrevista escrita que realizei ao investigador Leonardo Aboim Pires.

Para ampliar os meus conhecimentos sobre os efeitos da 2ª Guerra Mundial em Portugal entrevistei o historiador Fernando Rosas. Nesta entrevista, Fernando Rosas explica quais foram as consequências da 2.ª Guerra Mundial em Portugal, as dificuldades que os trabalhadores enfrentaram durante este conflito e o que levou Salazar a aderir ao Plano Marshall.

Entrevistei, também, os meus avós. Nas suas entrevistas deram-me a conhecer as condições laborais e de vida no período do Estado Novo e após a Revolução dos Cravos.

De forma a aprofundar os meus conhecimentos sobre o período subsequente a esta Revolução realizei uma entrevista ao historiador Manuel Loff. As questões efetuadas foram as seguintes:

- Quais foram em Portugal as consequências económicas e laborais das crises petrolíferas de 1973 e 1979/1980?

- Após a Revolução dos Cravos mantém-se a crise económica e efetuam-se nacionalizações, despedimentos e ocupações. Gostaria que abordasse este período da nossa história.

- Quais foram as medidas adotadas pelo Governo Português para solucionar a crise económica e conter a "ira" dos trabalhadores?

- Quais foram as conquistas laborais alcançadas após a Revolução do 25 de Abril?

Devido ao facto de residir na Amadora realizei uma entrevista à Dr.ª Carla Tavares, Presidente da Câmara do meu concelho. A Amadora tem sido um dos concelhos mais afetados por este vírus pandémico. As questões efetuadas à Dr.ª Carla Tavares foram as seguintes:

- A Amadora tem sido um dos concelhos mais atingidos pela Pandemia Covid- 19. Por que razão?

- Quais têm sido os efeitos desta pandemia na economia do concelho?

- Quais têm sido os efeitos desta pandemia, na Amadora, em termos laborais?

- Que medidas têm sido tomadas para diminuir o número de infetados?

- Como tem corrido a vacinação no Pavilhão Rita Borralho?

- O que mudou na sua vida com esta pandemia?

- Que lições podemos retirar desta pandemia?

Realizei, ainda, nove entrevistas em vídeo e vinte e uma entrevistas, por escrito, sobre este vírus pandémico. As questões efetuadas aos meus entrevistados foram as seguintes:

- O que se alterou na sua vida com a Pandemia do Covid-19?

- Que efeitos tem tido esta pandemia, na sua vida, em termos laborais?

- Na sua ótica, quais têm sido os efeitos desta pandemia na economia do nosso país?

- Que lições podemos retirar desta pandemia?

Finalizo a minha conclusão referindo que "o trabalho, entendido como uma ocupação remunerada, é de extrema importância nas nossas vidas: assegura a nossa existência, criando valor e riqueza. Mas significa muito mais: reconhecimento e estatuto social e, habitualmente, as metas que fixamos na vida relacionam-se com o mundo laboral. Quando se perde o trabalho, em tempos difíceis como o atual, muitas pessoas ficam fora do mercado de trabalho, passam por graves dificuldades financeiras e pressão social, sentindo que já não são elementos válidos para a sociedade" (Eustory, 2021). A Pandemia Covid-19 tem provocado falências, um aumento da taxa de desemprego e o agravamento das desigualdades socioeconómicas. É, por isso, crucial o apoio do Estado às empresas e aos trabalhadores. Só desta forma, será possível diminuir o número de desempregados e superar a crise económica e financeira provocada por esta pandemia. Este vírus fez com que reinventássemos o nosso dia-a-dia. Passamos por períodos de confinamento, houve o encerramento de estabelecimentos, a suspensão das atividades letivas presenciais e aprendeu-se a trabalhar em regime de teletrabalho.

Enfrentar uma pandemia é sem sombra de dúvida uma missão titânica mas a história já nos mostrou várias vezes como fazê-lo. Em primeiro lugar temos de confiar na ciência que temos ao nosso dispor e aceitar que apesar das falhas ela é sempre a nossa melhor opção. É preciso, também, que as sociedades se organizem adotando comportamentos comunitários de cuidado e de prevenção. Por último, para combater, eficazmente, uma pandemia, tem de haver solidariedade; ninguém pode ficar para trás porque nós só vencemos uma pandemia se a VENCEREMOS TODOS!

Ana Matilde Reis, 19 de agosto de 2021